sábado, 1 de julho de 2017

Pico: Grutas

Foi um primeiro semestre de 2017 recheado de actividades de espeleologia…

Além de várias visitas às já conhecidas Furna de Frei Matias, Furna da Agostinha, Furna da Sapateira e Gruta do Soldado/Soldão quase que duplicámos o número de grutas conhecidas da nossa lista, quer por iniciativa própria, quer respondendo aos eventos criados pelo Parque Natural do Pico, Município das Lajes, Associação Os Montanheiros e Azores Fringe Festival.

Por ocasião da actividade organizada pelo Parque Natural do Pico, no dia 18 de Fevereiro,  visitámos a Furna Nova II. Não fosse apenas o túnel lávico bonito e muito interessante, o caminho que temos de fazer para lá chegar também o é. Relativamente às até então conhecidas, esta gruta apresenta duas características que nunca tínhamos visto antes: existe uma cascata de lava que desce pela entrada da gruta e continua alguns metros no interior de mesma; e o chão apresenta “lama totalmente negra” tratando-se de carvão. A explicação para o primeiro fenómeno deve-se ao facto de a gruta ja existir e posteriormente ter havido nova erupção cuja escoada lávica terá entrado na cavidade já existente e como tal ter havido novo fluxo de lava no seu interior com coloração distinta. O segundo, e sem grandes certezas, poderá ter origem no mesmo facto (uma erupção posterior à que gerou o túnel) pois o negro que se vê pode ser resultante da carbonização da floresta que terá crescido entre os dois eventos eruptivos e sido destruída durante o segundo, e cujos sedimentos se foram depositando com o tempo no fundo da gruta.

IMG_3355IMG_3361IMG_3376IMG_3366IMG_3369

Precisamente um mês depois o Município das Lajes, em parceria com os montanheiros, organizou tambem uma visita a uma gruta aqui na Ribeirinha, Gruta da Ribeira do Fundo. Poucos dias antes soubemos da sua existência, um dia fomos apenas saber a localização da entrada, voltámos uma segunda vez para entrar, mas com pouco equipamento e tempo, por isso avançámos menos de 100 metros e por fim, aproveitando este evento tivemos oportunidade de conhecer grande parte do túnel.

O principal atractivo desta gruta corresponde à enorme estalagmite de lava de praticamente 2 metros que se encontra quase no fundo da mesma, alcançada apenas após alguma escalada e rastejo por zonas de estrangulamento do túnel provocadas por enormes “Lava Balls”. Lava Ball trata-se de um pedaço de lava, já solidificada que se desprende das paredes ou tecto de uma gruta, ainda durante o fluxo de lava e acaba por ser transportada pela corrente, até que encalha gerando normalmente um estrangulamento.

IMG_3680IMG_3685IMG_3691IMG_3700IMG_3697

Mais recentemente, a 17 de Junho de 2017, por ocasião do Azores Fringe Festival foi a vez de conhecermos a Furna Vermelha.

Já sabiamos onde parar o carro mas não onde se entrava, embora a Mónica já tivesse explorado um pouco as redondezas.

Passámos por algumas aberturas não tão fáceis de aceder e como tal, hão de ficar para outro dia com menos gente e mais calma, e entrámos numa grande galeria onde a cor do chão faz jus ao nome da furna. Não avançámos muito no subsolo mas a forte cor vermelha da lava e as suas formas tornam esta gruta bastante interessante, assim como todas as explicações fornecidas pelo nosso guia Paulino Costa. Ficámos no entanto com curiosidade para explorar os restantes troços de túnel.

IMG_5399IMG_5430IMG_5415IMG_5417IMG_5463IMG_5434IMG_5448IMG_5457IMG_5466

Ainda no mesmo dia, aproveitando termos o equipamento no carro e sabendo da existência de mais algumas grutas no caminho de casa, decidimos passar o dia a explora-las por iniciativa própria:

-Furna Nova I

Sabendo da sua proximidade à Furna Nova II fomos no seu encalço, a primeira vez sem sucesso, da segunda encontrámos a entrada mas não tinhamos tempo para explorar, à terceira tentativa a Mónica entrou conhecendo grande parte e finalmente à quarta conseguimos ir juntos e com tempo.

O que se pode dizer desta gruta é que é simplemente fantástica. A diversidade de espaços e formações no seu interior é enorme: temos grandes balcões, muitas estalactites, muitas cores, raizes. Também é relativamente fácil a locomoção no seu interior, principalmente para nós que não nos temos de baixar muito.

IMG_5490IMG_5493IMG_5549IMG_5555IMG_5558IMG_5532IMG_5570IMG_5581IMG_5585

- Gruta Henrique Maciel

O que mais nos impressionou nesta gruta foi a longitude da mesma com um túnel bastante amplo, de secção transversal praticamente constante e piso e paredes muito regulares… nunca tinhamos andado por tanto tempo e tão rápido dentro de uma gruta.

IMG_5593IMG_5595IMG_5597IMG_5602IMG_5612

Não esquecer que a entrada para muitas destas grutas é feita no interior de propriedades privadas e como tal é recomendado solicitar autorização para aceder à gruta.

Chegaram a existir outras actividades organizadas pelas mesmas entidades às quais não nos inscrevemos por já conhecer as grutas, dando assim lugar a outros.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Ilha das Flores

Em Agosto de 2008 escolhemos as Flores e Corvo como destino para uma semana intensa de caminhadas. Um dos grandes resultados desta viagem foi a vontade de regressar e finalmente se proporcionou, infelizmente apenas para o Nuno e ficando desta vez o Corvo de fora.

Em apenas mais uma das muitas actividades organizadas pela MiratecArts por ocasião do Azores Fringe Festival de 2017, surgiu a oportunidade de me juntar a um grupo de fotógrafos de Pico, Faial, Terceira, Santa Maria, Madeira, Continente, Espanha e São Tomé, para fazer uma expedição fotográfica de 3 dias pela ilha das Flores e dar mais uma vez a conhecer um pouco da nossa viagem pela América do Sul. Foi tempo também para revisitar alguns dos locais favoritos, conhecer um pouco mais das vilas das Lajes e Santa Cruz e seus habitantes e aproveitar os tempos livres para caminhar e tentar encontrar algumas aves novas.

2017-06-09

Grande parte do grupo saiu do Pico, muitos conhecidos, mas também algumas caras novas, que faziam antever que mesmo que o tempo não ajudasse, iria ser uma viagem divertida. Já no Faial mais alguns se juntaram e, apesar de alguma apreensão, o nosso voo seguiu como previsto.

Chegando às Flores tivemos tempo para almoçar, conhecer Santa Cruz e uma pequena conversa sobre fotografia, enquando esperávamos que mais elementos aterrassem na ilha.

IMG_4756IMG_4764
Museu das Flores (esq.) e Igreja Matriz de Santa Cruz das Flores (dir.)
IMG_4769IMG_4757IMG_4917
Vidália – Azorina vidalii (esq.), Flor - Commelina benghalensis (centro) e Erosão (dir.)
IMG_4829IMG_4868
Costa Este (esq.) e Corvo (dir.)

Reunido o grupo seguimos para a Cãmara Municipal, onde nos apresentámos, visitámos o imponente edifício do Museu e Auditório Municipal (tão novo e com tanto potencial mas práticamente inutilizado), o Miradouro do Monte das Cruzes para algumas fotografias e depois jantar no Hotel Ocidental, antes de seguir para os nossos aposentos nas intalações da Rádio Naval nas Lajes.

IMG_4946IMG_4949
Museu e Auditório Municipal de Santa Cruz
IMG_4963IMG_4966
Vista do Miradouro do Monte das Cruzes: Igreja Matriz de Santa Cruz (esq.) e Porto de Santa Cruz

Alguns aproveitaram para uma sessão de fotos nocturnas perto do Farol, outros preferiram fazer o mesmo ao nascer do sol do dia seguinte.

2017-06-10

Pelas 6:30 já estava de maquina fotográfica e binóculos em riste para dar uma volta pelas Lajes.

IMG_5020IMG_5040
Nascer do Sol no Porto das Lajes (esq.) e Igreja de Nossa Senhora do Rosário (dir.)

Às 9:00 reunimo-nos todos para sair em conjuntos e conhecer a parte interior da ilha, incluindo lagoas e a Rocha dos Bordões. Para quem não conhecia as Flores e conhecia a realidade do Pico o que mais impressionava era a quantidade de água.

IMG_5057IMG_5061
Lagoa
da Lomba (esq.) e Vale (dir.)
IMG_5067IMG_5068
Lagoas Rasa e Funda (esq.) e Lagoa Funda (dir.)
IMG_5074IMG_5088
Lagoa Funda (esq.) e Lagoas Negra e Comprida (dir.)

Almoçámos no Restaurante Por-do-Sol na Fajãzinha, onde fomos brindados com alguns dos pratos típicos das Flores. Aqui nova conversa de fotografia, desta vez com o fotógrafo Italiano Stefano Folgaria, radicado na ilha.

Seguimos para visitar um moinho de água, miradouros do Portal, Lajedo e Craveiro Lopes e finalmente o Poço da Ribeira do Ferreiro, um dos locais mais bonitos onde já estivemos… a enorme parede verde, as cascatas, o espelho de água. Aqui, como se a beleza do local não nos bastasse, estavam dois patos (Negrinhas - Aythya fuligula) que além de nunca as ter visto antes, estas são uma raridade nos Açores. Ainda enquanto brincava, com extremo cuidado, com uma lente de 400mm que me emprestaram, deu para observar a passagem de uma galinha-de-água (Gallinula chloropus), também novidade para mim nos Açores.

IMG_5106IMG_5109IMG_5115
Vista do Miradouro Craveiro Lopes para o Poço da Ribeira do Ferreiro (esq.) Vista do Miradouro do Portal (centro e dir.)

IMG_5132IMG_5203IMG_5214
Cavalinha
- Equisetum telmateia (esq.), Garajau Comum – Sterna Hirundo (centro) e Tentilhão dos Açores - Fringilla coelebs moreletti

IMG_5179IMG_5220IMG_5238
Poço da Ribeira do Ferreiro

No regresso às Lajes paramos novamente no miradouro da Rocha dos Bordões, agora com melhor luz, seguindo para o jantar na casa da nossa enérgica anfitriã florentina, Gabriela Silva, de onde seguimos para o Valzinho para assistir ao concerto de Hang do Kabeção.

IMG_5247IMG_5241
Rocha dos Bordões

2017-06-11

Após um dia bastante longo, uns ainda tiveram vontade para acordar cedo e regressar às lagoas para o nascer do sol, outros ficaram pelos aposentos e eu segui para a Fajã de Lopo Vaz. Embora já tivesse feito este trilho na nossa primeira viagem às Flores, pensava que o inicio do mesmo ficava mais proximo das Lajes, mas os sinais não estavam errados e, como não acordei tão cedo como previsto e como perdi muito tempo em busca (infelizmente em vão) do meu caderno de campo, foi necessário fazer uma grande parte dos quase 9km a correr, pois havia que estar com todos os outros para novo passeio pelas 11h00.

IMG_5260IMG_5266
Farol e Tanque das Lajes (esq.) e Fajã de Lopo Vaz (dir.)

Visitámos a Aldeia da Cuada, parando novamente para mais algumas fotos à Rocha dos Bordões, seguindo para a Fãja Grande (nosso local de pernoita na anterior viagem), onde conhecemos o fotografo  que acompanhou os presidentes da república Mário Soares e Jorge Sampaio e almoçamos em modo de pic-nic, preparado por um grupo de estrangeiros residentes na ilha. Depois de comida e música, houve ainda tempo para visitar a Poça do Bacalhau e a casa do Stefano para ver algumas das suas fotos, antes de regressar às Lajes para a apresentação no auditório do museu.

O jantar de despedida, oferta do município das Lajes, foi no Restaurante Transmontano na Fazenda das Lajes. 

2017-06-12

Foi dia de regressar ao Pico, terminando um fim de semana prolongado, cheio de aventuras e diversão, na companhia de um grupo fantástico. Além das paisagens fantásticas das Flores, ficam algumas amizasdes novas.

Mais uma vez há que agradecer ao Terry Costa e MiratecArts pela organização e por esta oportunidade e a todos os Florentinos que disponibilizaram algum do seu tempo para nos ajudar, acompanhar, partilhar experiencias.